Psicóloga Eliana Di Sarno

A Cela

O filme se passa na mente de um serial killer Carl Stargher (Vincent D’Onofrio), tem um tipo raro de esquizofrenia, que prende suas vítimas, sempre mulheres jovens, em uma caixa de vidro que começa a encher de água após 48 horas que a vítima está presa. O assassino entra em coma assim que é preso pelo agente do FBI, Peter Novak (Vince Vaugh). O único meio de descobrir o local do cativeiro, é contando com a ajuda da psicóloga Dra Catherine Deane (Jennifer Lopez), que através de um novo tratamento experimental, entra na mente dos pacientes para resolver seus problemas. Até que ponto é realidade ou delírio? É o que todos quiestionam apesar das evidências. Por ter uma chance remota de descoberta, os federais resolvem tentar o tratamento através de uma cãotonização de suas mentes, ou seja, é uma realidade virtual que permite com a ajuda de alucinógenos uma pessoa entrar na mente da outra.

. Dentro da mente do serial killer, descobrimos que seu comportamento psicótico, na verdade, se deu devido aos estímulos e traumas que recebeu na infância (comum nas histórias de serial killer), o abandono da mãe, e o comportamento de seu pai, que era alcoólatra, agressivo e rígido. Fica bem claro que devido aos maus tratos, os estímulos (punições) que Carl recebia quando criança teve como respostas futuras o seu comportamento agressivo e psicologicamente doentio. O pai o punia sempre que algo desse errado em casa, um prato quebrado, algo que ele fizesse que fosse contra a vontade do pai. O trauma, que ele teve ao ser batizado, a figura austera do pai o segurando em baixo d’água, contribuiu para o seu fascínio em afogar as suas vítimas e transformá-las em suas “bonecas”, pois Carl apanhava do pai quando o mesmo descobria que seu filho estava brincando com bonecas; percebemos aí que Carl era homossexual, algo inaceitável para seu pai, que além de tudo era machista e forçava o filho a ver mulheres nuas, o que ocasionou na “punição” que Carl proporcionava para suas vítimas.

Sendo assim, a relação Estímulo – Resposta fica bem evidente no filme, onde percebemos que os estímulos recebidos por um indivíduo, na infância são importantes para sua formação de caráter psicológico e humano.

Todos os direitos reservados à Elaine de Sarno. Powered by Link e Cérebro